Castanhal - PA
WhatsApp

91 98146-6818

Wlad Costa vota contra o aliado Eduardo Cunha - Nós Na Mídia

Política

15/06/2016 às 08h12 - Atualizada em 15/06/2016 às 08h12

Wlad Costa vota contra o aliado Eduardo Cunha

administrador
Castanhal - PA
FONTE: DOL com informações da Folhapress

Foto: Divulgação

O deputado Wladimir Costa (SD-PA), que não cansou de elogiar o deputado e presidente afastado da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ), acabou votando pela aprovação do relatório que pedia a cassação do peemedebista, na tarde desta terça-feira (14), surpreendendo o próprio plenário. Costa é do mesmo partido de Paulinho da Força, forte aliado de Cunha.


O deputado Wladimir Costa (SD-PA) disse ter votado com a consciência. Segundo ele, a decisão foi informada aos integrantes de seu partido cerca de duas horas antes da votação que se posicionaria pela cassação do mandato do peemedebista, negando ter seguido o voto de Tia Eron (PRB-BA).

Costa afirmou que não sofreu pressão partidária para apoiar Cunha, nem de seu eleitorado, para cassar o presidente afastado da Câmara. Garantiu ainda que manterá seu voto no plenário.

"Não há provas cabais, materiais, mas há indícios fortes. Isso não se pode negar. Há uma série de indícios gravíssimos e, a cada dia que passa, as coisas vão se emaranhando casa vez mais. Hoje apenas admitimos que o processo tenha sequência".

O voto de Wladimir Costa surpreendeu todo o Conselho e evitou o voto de minerva, que caberia ao presidente do colegiado, José Carlos Araújo (PR-BA).

Para parte dos conselheiros, o posicionamento de Costa foi uma "carona" no voto de Tia Eron, que era o mais esperado, já que estava sendo considerado decisivo para o destino de Cunha. Costa nega. "Não tem nada a ver com a Tia Eron. Por volta das 17h, já tinha informado no grupo [de whatsapp] do Solidariedade que eu iria votar contra o Cunha. Me antecipei ao voto dela".

Na mensagem enviada ao grupo da bancada do Solidariedade da Câmara, o deputado pediu desculpas e disse saber que uma minoria no partido ficaria "frustrada" com o voto dele. "Não agradarei a todos, mas agradarei a quem tenho como prioridade agradar, que é a minha consciência, e evitar que o nosso partido seja literalmente chamuscado e tenha a nossa imagem depreciada por causa de quem não possui qualquer sentimento de amor pela nossa sigla", escreveu às 16h34.

Houve integrante do Conselho que ironizasse e levantasse a hipótese de que o voto de Costa foi combinado com Cunha para justamente evitar o voto de Araújo. O deputado do Solidariedade também nega e disse não manter contato com o peemedebista.

Cunha manteve ao longo da tramitação do processo de cassação de seu mandato, cerca de oito meses, o mais longo da história do Conselho de Ética, o costume de atacar e criticar o presidente do colegiado, José Carlos Araújo, a quem sempre atribuiu uma postura "parcial" e erros propositais com objetivo de "aparecer".


Repercussão


A mudança repentina no voto de Wladimir foi tão inesperada que se tornou um dos assuntos mais comentados do Twitter no Brasil. Nas redes sociais, Wladimir foi chamado de “oportunista” e acusado de ter “abandonado o barco” de Cunha, depois de prever que o deputado perderia na votação.


Além de Wladimir, a deputada Tia Eron (PRB-BA) também foi voto decisivo pela aprovação do relatório da cassação do Eduardo Cunha.


VOTOS NA SESSÃO


Veja como votaram os deputados do Conselho de Ética sobre o parecer que pede a cassação do mandato do presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). O presidente do Conselho de Ética, José Carlos Araújo (PR-BA), só votaria em caso de empate, o que não aconteceu. Foram 11 votos a favor do parecer pela cassação e 9 contrários.


CONTRA A CASSAÇÃO


Alberto Filho (PMDB-MA)


André Fufuca (PP-MA)


Mauro Lopes (PMDB-MG)


Nelson Meurer (PP-PR)


Sérgio Moraes (PTB-RS)


Washington Reis (PMDB-RJ)


João Carlos Bacelar (PR-BA)


Laerte Bessa (PR-DF)


Wellington Roberto (PR-PB)


A FAVOR DA CASSAÇÃO


Marcos Rogério (DEM-RO), relator do processo


Sandro Alex (PSD-PR)


Paulo Azi (DEM-BA)


Júlio Delgado (PSB-MG)


Nelson Marchezan (PSDB-RS)


Zé Geraldo (PT-PA)


Betinho Gomes (PSDB-PE)


Valmir Prascidelli (PT-SP)


Leo de Brito (PT-AC)


Tia Eron (PRB-BA)


Wladimir Costa (SD-PA)


Defesa


Em defesa de Cunha, o deputado Wladimir Costa chegou a trocar ofensas com o deputado Zé Geraldo (PT-PA) durante a discussão do relatório de cassação do deputado afastado Eduardo Cunha. “Vagabundo”, “bandido” e "ladrão safado” foram algumas das ofensas disparadas por Wladimir para Zé Geraldo. Assista:


ESTA MATÉRIA FOI VISTA 198 VEZES

Comentários

Veja também

Nós Na Mídia
Editoriais
© Copyright 2017 :: Todos os direitos reservados - Desenvolvido por: Diego Smith